Por que escolher carne 100% alimentada a pasto?

Muito se escreve e fala sobre os benefícios ambientais e de saúde da produção sustentável de alimentos.
A agricultura é tão antiga quanto as montanhas, mas a maneira como nossos alimentos são produzidos mudou drasticamente com o advento da agricultura mecanizada e industrial em grande escala no século XIX.

A produção de alimentos industrializados trouxe algumas consequências bastante adversas ao meio ambiente e à vida selvagem é a nossa saúde.

Resumindo, comer carne 100% alimentada com capim (ou pastagem), criada ao ar livre, caipira, aves e caça é melhor para nós, para os animais, e ajuda a manter uma ecologia mais biodiversa e natural.

Nós somos o que comemos.

Quando comemos carne, precisamos garantir que seja da mais alta qualidade possível e produzida de uma forma que respeite a natureza, o meio ambiente e o animal.

A carne grassfed.com.br

Comer carne de animais que comeram apenas uma dieta natural de grama, flores silvestres, trevos e leguminosas, rica em vitaminas e minerais essenciais e não contaminada por produtos químicos e pesticidas, faz muito sentido para nos. É uma escolha saudável a se fazer.

Muitos estudos respeitáveis ​​mostraram que a carne bovina alimentada com capim tem uma proporção melhor de ômega 3 para ômega 6, é rica em antioxidantes como a vitamina E, e contém níveis mais elevados de vitaminas e minerais.

Carne de animais alimentados com grãos com vidas mais curtas porque apressados ​​para terminar de converter o carboidrato em açúcar e gordura. Não é uma solução saudável para nós, isso é um fato!

Animais 100% alimentados com capim e que são criados em um ambiente natural, ao ar livre, cercado por insetos e germes, desenvolvem um melhor sistema imunológico e também por serem livres para vagar trabalham desenvolvendo mais os músculos produzindo menos gordura saturada.

O que é muito bom para nós.

Os rebanhos, sejam eles bovinos, porcos ou galinhas que ficam amontoados em currais e nunca veem a luz do sol, são mais suscetíveis as doenças e isso gera que podem exigir intervenção com antibióticos.

A grama ao longo dos séculos foi sempre a principal fonte de alimento para gado e ovelhas, porém a economia da produção industrial exigiu que os agricultores em grande escala criassem e acabassem com seus animais mais rapidamente, o que só poderia ser feito realmente através da introdução de rações para gado de alta energia.

Basicamente, cereais e soja.

É comprovado que um animal com um crescimento lento e natural e apenas o alimentando a pasto tem muitos bem menos probabilidade de adoecer, porque eles são ruminantes e foram criados para ruminar.

A palavra “ruminante” vem do latim "ruminare", que significa “mastigar de novo”.

Os animais ruminantes têm sistemas digestivos complexos que os permitem extrair toda a bondade natural de sua dieta de grama, flores silvestres e trevo sem pesticidas e fertilizantes. Coisas inteligentes. Mas, ao dar a um animal ruminante uma ração à base de grãos, para acelerar o processo de crescimento, estamos interferindo na mãe natureza.

Melhor para a biodiversidade e o meio ambiente

Nossa carne é produzida somente com gado alimentado 100% a pasto, totalmente livres de produtos químicos que prejudicam e comprometem a fertilidade do solo.

Uma pastagem natural e permanente melhora a estrutura e a estabilidade do solo, enquanto suas raízes profundas extraem os bens minerais que se encontram mais abaixo.

As pastagens extraem dióxido de carbono da atmosfera, que nutre as raízes e ajuda nos sistemas fluviais, evitando a erosão do solo e o escoamento.

Os pastos são “habitats” cruciais com mais de 150 espécies diferentes de flores e grama que sustentam uma miríade de insetos, desde abelhas e besouros a gafanhotos e borboletas, que por sua vez ajudam muitos pequenos animais e pássaros.

As pastagens podem conter até 40 espécies por metro quadrado.
Pense na pobre velha abelha. Como eles dependem inteiramente de flores para se alimentar, não é para se surpreender que as populações das abelhas diminui rapidamente, isso é uma alerta mundial, sempre se fala sobre isso e isso também é causa da medida que a agricultura mecanizada se intensificou no último século.

Este ambiente natural e biodiverso que sustenta animais alimentados com grama está vivo com sebes e pássaros que nidificam no solo, e pequenos mamíferos que procuram abrigo contra pássaros predadores, as ricas flores silvestres e trevos fornecem “habitat” maravilhoso para uma variedade imensa de insetos.

A Natureza em equilíbrio.

Algumas dicas para cozinhar a carne grassfed.com.br.

Enquanto um grande chefe pode melhorar um bife duro até certo ponto, um chefe que não entende a carne que está "trabalhando" pode arruinar completamente até um corte de boi mais tenro e saboroso com apenas um momento de desatenção, desfazendo completamente todo o trabalho duro que o agricultor colocou na produção de carne tenra e saborosa.

A estratégia de cozinhar é importante e muito.

É por isso que é importante ficar atento às pequenas diferenças entre a carne Grass Fed e a de grãos, para que as técnicas de cozimento usadas na cozinha para preparar a carne preservem os sabores e a maciez que o fazendeiro tanto trabalhou para criar.

Os cortes Grassfed.com.br são tendencialmente mais magros.

A carne bovina grassfed.com.br é mais magra do que a carne alimentada com grãos, que é a carne que você está acostumado a comprar no supermercado local.

Consequentemente existem algumas diferenças importantes que precisa ser ciente quando se trata de descongelar e cozinhar carne alimentada com capim para garantir a preservação da sua maciez e sabores.

Se você seguir essas dicas para cozinhar bifes e assados, sua carne grassfed.com.br terá toda a maciez e sabor, do que você espera das suas receitas favoritas de carne.

Dicas para descongelar carne.

Nunca coloque a carne no forno micro-ondas para descongelá-la.

A carne descongelada no micro-ondas torna-se uma carne dura porque o micro-ondas transforma parte da umidade em vapor, o que permite que essa valiosa umidade escape do corte.

Embora essa regra se aplique igualmente na carne alimentada a pasto e na carne alimentada com grãos, a carne bovina Grassfed.com.br é mais vulnerável a perder umidade durante o descongelamento por micro-ondas porque tem menos gordura externa para impedir que o vapor escape.

Outra dica importante para descongelar a carne é sempre remover a carne do nosso embrulho original avacuo antes do descongelamento para evitar que os sabores e cheiros da embalagem possam se infiltrar na carne no processo de descongelamento, assim que não interferiam com os sabores que você está tentando criar durante o processo de cozimento.

Dicas de preparação da carne antes do cozimento.

Se a temperatura da carne mudar muito rapidamente durante o processo de cozimento, isso pode fazer com que as fibras da carne se contraiam, o que tornará a carne dura.

Uma rápida mudança de temperatura também fará com que a umidade escape da carne por condensação.

A umidade é um componente chave da maciez da carne bovina.

É um bom hábito retirá-la da geladeira várias horas antes de cozinhá-la, para que possam aquecer até a temperatura ambiente antes de ser colocada na grelha. Isso reduz a faixa de temperatura em que a carne precisa alcançar quando começa a cozinhar.

Embora essa dica seja válida para qualquer carne que você queira grelhar, é ainda mais importante aquecer os cortes grassfed.com.br à temperatura ambiente antes de cozinhar, porque a carne alimentada com capim tem menos gordura externa do que a carne alimentada com grãos.

A gordura atua como um isolante para desacelerar a rapidez com que sua carne mude de temperatura durante o cozimento. A carne mais magra tem menos gordura para isolar contra as mudanças bruscas de temperatura quando é colocada na grelha.

Portanto, ao pré-aquecer seus cortes grassfed.com.br na temperatura ambiente antes de cozinhar, você evita as mudanças rápidas e amplas da temperatura, processo esse que pode causar a contração das fibras da carne ou a perda de umidade devido à condensação.

Tempo de cozimento.

Uma mudança lenta da temperatura durante o cozimento permite que as fibras de proteína permaneçam relaxadas. Uma mudança muito rápida da temperatura é um choque que fará com que as fibras de proteína se contraiam.

Bifes e assados de cozimento lento garantem que as proteínas não se contraiam e se tornem duras durante o processo de cozimento.

Carne de cozimento lento em temperaturas mais baixas, significa que meno umidade na carne se transformará em vapor e escapará.

Seu processo de cozimento deve evitar a perda excessiva de umidade de sua carne.

Cozinhar carne em altas temperaturas para criar uma crosta externa é uma ótima técnica para reter a umidade, mas cozinhar os cortes em altas temperaturas durante o tempo restante de cozimento fará com que a carne perca muita umidade e seque durante o processo de cozimento, o que tornará a sua carne dura.

Como a gordura atua como um isolante não deve ser surpresa que a carne magra cozinhe mais rápido do que a gordurosa, porque o calor da grelha, do forno ou da frigideira consegue penetrar mais rapidamente em toda a carne cortada.

Uma vez que sabemos que a carne grassfed.com.br é mais magra do que a carne de grãos, vamos reduzir o tempo de cozimento entre 10–25%.

Comece a verificar seus cortes grassfed.com.br um pouco mais cedo do que você normalmente verificaria sua carne bovina alimentada com grãos, comprada no açougueiro, para ter certeza de não cozinhá-los demais.

Temperatura de cozimento.

Como o calor pode penetrar na carne magra mais facilmente do que na carne mais gordurosa, você deve ajustar suas receitas para usar temperaturas de cozimento ligeiramente mais baixas ao trocar de carne alimentada com grãos para carne grassfed.com.br.

Reduza as temperaturas de cozimento em 10–15% ao cozinhar carne grassfed.com.br. Portanto, se uma receita normalmente exige temperaturas internas de cozimento de 350° diminua o fogo para chegar a cerca de 300-315 °C.

Para obter os melhores resultados ao grelhar, comece selando a parte externa dos cortes para criar uma crosta que mantenha a umidade. Em seguida, vire a grelha para baixo para terminar o processo de cozimento em fogo baixo evitando perdas excessivas de umidade e contração de fibra de proteína.

O USDA (United State Departement of Agricolture) recomenda cozinhar bifes e assados a uma temperatura interna mínima de 65°C como precaução de segurança alimentar.

A recomendação de temperatura do USDA para a carne bovina é baseada no cozimento da carne alimentada com grãos, sendo que esta é ainda infelizmente a carne bovina mais comum disponível nas prateleiras das lojas hoje.

Na carne bovina alimentada com grãos, 65°C equivale à carne cozida conhecida a qui como “mal passada”.

A carne bovina grassfed.com.br geralmente chega a esse estado quando a temperatura interna media atinge os 40 °C até 60°C.

A carne moída, seja a pasto ou a grãos, deve sempre ser cozida a uma temperatura interna mínima de 70°C.

A mensagem que quero passar para você levar para casa, é que a carne grassfed.com.br cozinha mais rápido e em temperaturas mais baixas do que a carne com grãos porque tem menos gordura externa para isolar o corte durante o processo de cozimento.

Portanto, ao cozinhar carne grassfed.com.br, abaixe o fogo e o verifique mais cedo do que está acostumado, para obter o mesmo grau de “cozimento" que você está acostumado alcançar.

Subtraia de 5 até 15° C de temperatura interna dependendo do corte, para obter a mesma graduação de cozimento com a carne bovina grassfed.com.br.

Valendo-se de um termômetro de alimentos que mede a temperatura interna dos cortes, espere que a temperatura interna da carne grassfed.com.br suba alguns graus, 1° ou 2° logo nos próximos 3 minutos após ter sido removida da fonte de calor.

Tem que saber que a carne continua o processo de cozimento mesmo depois ter sido removida da grelha ou do forno até que a temperatura interna esfrie o suficiente para parar de alterar a estrutura de proteína da carne.

Como você pode ver é extremamente fácil ajustar suas técnicas e suas receitas culinárias, para mudar de carne bovina alimentada com grãos para carne grassfed.com.br.

  • Abaixe o fogo (o que também reduzirá sua conta de gás ou da energia) e reduza os tempos de cozimento (o que economizará seu tempo).
  • Cozinhar perfeitamente a carne grassfed.com.br é simplesmente.
  • Reduzir a faixa da temperatura da carne durante o processo de cozimento.

Controlar a velocidade das mudanças da temperatura durante o cozimento.

Preservar a umidade dentro do seu corte durante o descongelamento e cozimento.

Você tem alguma técnica de culinária favorita para quando cozinha a nossa carne grassfed.com.br?

Quais são as suas receitas favoritas quando você come carne grassfed.com.br com a sua família?

Compartilhe conosco e não se esqueça de compartilhar também este artigo com seus amigos nas redes sociais para que mais pessoas possam aproveitar do conhecimento dessa tipologia de carne e forma de criação Sustentável, Saborosa e principalmente Saudável.

Porque estou aqui todos os dias explicando as razões pelas quais vocês deveriam escolher a carne Grass Fed?

1) É melhor para os animais.
A agricultura animal industrializada tornou a produção de carne eficiente, barata e consistente. Rapidamente foi um programa de sucesso porque tornou seus produtos mais econômicos e uniformes. Essa industrialização atingiu esses objetivos ao colocar o comportamento instintivo dos animais como ultima prioridade, em vez de torná-lo o valor fundamental.

A Grassfed.com.br prioriza isso porque a produção de verdadeiros animais criados a pasto é indiscutivelmente uma vida melhor para ele. O gado nasce para vagar e pastar; se você deseja melhorar a vida dos animais, tem que começar apoiando consistentemente os sistemas que adotam a produção baseada em pastagens.

2) É melhor para aterra.                                                                                                                                                       Por meio do manejo holístico, os animais conseguem impactar positivamente o solo de uma forma poderosa. Os sistemas de produção criados com pasto usam animais como ferramentas em um cinto de ferramentas para acelerar o processo fotossintético, desorganizar o solo e fertilizá-lo por meio da micção e defecação. Por meio desse círculo virtuoso, o solo alimenta a grama, a grama alimenta o gado, e o gado, alimenta a grama. Tudo faz parte do processo de nascimento-vida-morte-decadência que se aplica a humanos, plantas, animais, tudo o que é vida no nosso planeta.

As práticas regenerativas de manejo da terra demonstraram sequestrar mais carbono no solo do que os animais criados em pastagens emitem durante sua vida. A carne com carbono negativo é uma nova ferramenta potencial para ajudar a reverter a mudança climática, e essas práticas regenerativas podem até mesmo ser aplicadas à indústria de energia solar. Ao apoiar sistemas de produção grassfed.com.br, você está endossando sistemas que se concentram em fazer melhorias globais e geracionais na terra que ocupamos.

3) É melhor para a nossa comunidade.
O Brasil rural foi devastado pelos efeitos da agricultura industrial. Por causa da mecanização, eficiências foram introduzidas na agricultura que deslocaram empregos e desmantelaram essas pequenas cidades prósperas. Os sistemas de produção que a grassfed.com.br adere, faz parte de uma mudança que coloca esse trabalho cuidadoso de volta na agricultura. Ao fazer isso, empregos de qualidade são criados, as habilidades tradicionais são restauradas e os cidadãos recebem oportunidades que não existiam antes. Os sistemas de produção com pastagem revertem esse êxodo em massa de trabalhadores árduos e restabelecem comunidades pequenas e sustentáveis.

4) É melhor para as pessoas.
A produção industrial de carne tem sido criticada no mundo também por criar empregos que exigem ações repetitivas constantes, o que leva a vários problemas de saúde para os funcionários. Em sistemas de produção da grassfed.com.br, os funcionários usam muitos "chapéus diferentes" e realizam várias tarefas a cada dia. Os funcionários que trabalham em ambientes que oferecem diversas tarefas são mais felizes e saudáveis. Os sistemas de produção grassfed.com.br apresenta regularmente aos funcionários desafios, oportunidades e realizações que compensam sejam no plano físico quanto emocional.

Além disso, as empresas de processamento de propriedade e operação local, baseados em sistemas de produção com pastagem, revertem o crescimento das mega-fábricas multinacionais. Ao manter os reais na comunidade, os sistemas de produção com pastagem ajuda a trazer prosperidade para o Brasil rural.

5) É melhor para você.
É indiscutível que os animais criados em sistemas de produção industrial são menos saudáveis ​​do que aqueles criados em um sistema de produção natural. Por que acreditaríamos que a carne desses animais não saudáveis ​​seria uma opção nutritiva para o consumo de nossas famílias? Há uma pesquisa documentada que afirma que as proteínas cultivadas em pastagens estão agora sendo usadas em cuidados de saúde preventivos e em planos de tratamento de doenças. É hora de perceber que alimentos nutritivos são realmente remédios.

Mudar para carne natural hoje não será impossível. A Grassfed.com.br opera com uma loja online oferecendo os melhores cortes de gado. Comprar online na loja grassfed.com.br cortes regenerativos, nunca foi tão fácil.

6) É melhor que carne falsa.
Enquanto o debate sobre como abordar a mudança climática continua, alguns produtos agrícolas industrializados feitos em um laboratório afirmam ser o futuro da carne. Algumas empresas de carnes falsas afirmam que são a melhor escolha para o meio ambiente. No entanto, como as avaliações mostraram, muita proteína vegetal na moda estão contribuindo para a mudança climática, o gado criado em pasto ajuda a reverter esse processo.

Agora que conhece um pouco mais do mundo grassfed.com.br, só precisa experimentar alguns cortes e saborear a diferença com a carne tradicional, degustando todos os sabores de uma carne criada segundo regras naturais.

T-Bone ou Porterhouse?

Ambos tem um osso em forma de T e são macios, suculentos; a criação Grass Fed dá um sabor mais intenso, isso aparentemente pode complicar a nossa pesquisa… mas vamos ver como podemos reconhecê-los.

A palavra T-Bone em inglês significa osso em forma de T, o mesmo que separa os dois tipos de cortes que nele existem: o Contra Filé e o Filé Mignon.

O lado maior é de contrafilé, e o lado menor é filé mignon. O osso em forma de T é da vértebra lombar que é cortada em duas.

Para que um bife T-bone seja qualificado como Porterhouse, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos diz que o filé deve ter pelo menos 32 mm de espessura.

A espessura é medida do osso até o ponto mais largo do filé.

O Porterhouse vêm da parte traseira do lombo curto, onde o lombo é mais grosso. O resultado é um corte incrivelmente robusto de bife.

Muitos Porterhouse pesam acerca de 750 gramas e são servidos em restaurantes como refeições para dois.

Diz-se que a origem desse corte hoje famoso, começou em 1892, em Nova York.

Uma taverna pertencente a Martin Morrison era o local favorito para os marinheiros comerem.

Um piloto de idade pediu um filé, mas não tinha sobrado nenhum.

Morrison disse que cortaria e grelharia um sirloin que estava preparando para o próximo dia.

Isso fez tanto sucesso que, a partir desse dia, Morrison pediu somente esse mesmo corte de sirloin para seu açougueiro.

Também, fala-se que Mark Twain (o famoso escritor americano) tinha como refeição favorita Porterhouse frita com cogumelos e ervilhas.

🌱Eu recomendo ambos, o importante que sejam Grass Fed.💚💚💚💚